Nem tudo começa aqui e nem tudo acaba aqui

Uma viagem conduzida por:

terça-feira, junho 01, 2010

Tardinha


Os faróis acendem-se na costa um nadinha antes dos mil corações da noite se iluminarem.
O faroleiro de rosto gasto abandona por um instante a jovem amante e aspira com gosto a maresia, deitando os olhos sábios num movimento que abarca desde a abóbada celeste até à linha do horizonte.
Lança um deasafio ao anoitecer "Basta um coração para amar!"
O eco devolveu-lhe a sua voz num tom algo zombateiro, erguida, um pouco a custo, acima do murmúrio das ondas:
"Amar Amar".
O velho faroleiro coçou a barba rala e interrogou-se "Como é que raio o vento sabe que eu amo amar?"

2 comentários:

Passageiro do Tempo disse...

Sempre excelentes textos....

Grande abraço!

Joana disse...

Adoro este sítio. Tem uma energia muito forte.

Beijinhos

Arquivo do blogue