Nem tudo começa aqui e nem tudo acaba aqui

Uma viagem conduzida por:

quinta-feira, junho 07, 2007

Psicomigrações



Não sei o que se passa comigo... cada vez me é mais difícil ouvir a minha própria voz.

Apetece-me ir para os sítios mais recônditos e isolados e gritar... ferir o silêncio de morte...

Porque não ferir o silêncio se a minha existência é um ferida incicatrizável?

É cá dentro, onde a alma da minha voz ecoa, rechaçada duma parede para a outra da minha mente, que são mais graves e perturbadoras as lesões...

Saberei o que digo...

...ou se direi o que sei?

2 comentários:

Passageiro do Tempo disse...

Na grande parte do Tempo não dizemos tudo o que sabemos, ou, não dizemos tudo o que queremos... porque.... o teu texto diz em parte a razão... fantástico texto!

Grande abraço!!!

sissi disse...

Excelente o texto e a foto...ambos se completam... esta casa parece gritar através do seu silêncio.
Abraços de alma.
sissi

Arquivo do blogue