Nem tudo começa aqui e nem tudo acaba aqui

Uma viagem conduzida por:

domingo, janeiro 04, 2009

O Reino


Interrogou-se sobre se alguém o esperaria quando chegasse... A noite começava a esconder o mundo dos seus olhos. Haveriam fogueiras acesas no caminho para lhe iluminar os passos? Permaneceria ainda alguém a pé, aguardando para lhe abrir a porta do castelo, ou, pelo contrário, ter-se-iam recolhido todos para um sono revigorante? Não duvidava do amor que os súbditos lhe tinham, mas sabia como a fé dos homens era fraca e era bem conhecedor de como baqueia o espírito na ausência da visão daquilo que deseja. A esperança podia ser uma forma de vida ainda mais precária do que os cogumelos de que se alimentara ao longo da sua longa jornada. O que ele não sabia era que o seu Reino já não cabia nas fronteiras construídas pelos homens... estendia-se agora até bem fundo nos seus corações.

2 comentários:

Joana disse...

"O que ele não sabia era que o seu Reino já não cabia nas fronteiras construídas pelos homens... estendia-se agora até bem fundo nos seus corações." Quando isto acontece podemos dar-nos por felizes :)

Passageiro do Tempo disse...

As fronteiras de um reino não pertecente aos homens são as maiores de todas...

Um abraço******

Arquivo do blogue