Nem tudo começa aqui e nem tudo acaba aqui

Uma viagem conduzida por:

quarta-feira, fevereiro 18, 2009

A Peregrinação


Não sabia como voltar a encará-la... Seria mais fácil voltar atrás e esquecer tudo. Ao fim e ao cabo, embora tivesse ficado no ar a promessa duma promessa, não lhe prometera nada.

Os pés colavam-se-lhe ao chão como se presos por uma força maior do que a própria gravidade: o medo.

E se ela não estivesse lá? E se ela, muito legitimamente, não tivesse acreditado nele? Afinal que nome dar a estas hesitações de última hora que não cobardia?

2 comentários:

Passageiro do Tempo disse...

Duvidar é humano... mas... e se ela lá estivesse... se tivesse acreditado nas suas palavras?
Quem não tinha acreditado afinal?

Um belo e simples texto... mas também complexo e bem humano...
Um grande abraço!

Joana disse...

Eu chamo-lhe medo de ser rejeitado.

Arquivo do blogue