Nem tudo começa aqui e nem tudo acaba aqui

Uma viagem conduzida por:

sexta-feira, abril 10, 2009

A Passadeira Vermelha


No entanto, à medida que avançava, a passadeira vermelha ia ficando mais gasta e descuidada, parecendo estar a afastar-se no tempo, como se fizesse o percurso inverso ao do alto dignitário para quem a haviam colocado. Se este grande homem teria feito aquele mesmo caminho, começara no ponto para o qual ele se dirigia e dera por terminada a viagem no ponto onde ele a começara. Sentiu uma tontura e uma vertigem, idêntica em tudo à que sentiu no dia em que mergulhara do penhasco mais elevado da baía onde nascera. Por mais que nadasse procurando a superfície não a conseguia alcançar, tendo até considerado que estivesse a nadar rumo ao fundo e não em direcção à superfície. E não teria sido assim? Que garantia tinha de que tudo aquilo que vivera depois não era o passado, mas um futuro que afinal nunca chegaria a viver?

2 comentários:

Laranjinha disse...

Terá sido um sonho? Um sonho que terminou antes de ter de começado?

http://escritoemlaranja.blogspot.com

Passageiro do Tempo disse...

O começo será o próprio final.... ou ao contrário... o final é ele mesmo um começar?

Mais um excelente texto...

Grande abraço!

Arquivo do blogue