Nem tudo começa aqui e nem tudo acaba aqui

Uma viagem conduzida por:

segunda-feira, dezembro 11, 2006

Atrás dos dias vêm dias



Atrás dos dias vêm dias.

Atrás da criança que se balança neste balouço virão outras crianças.

Atrás dos seus risos, outros risos ecoarão pela mata fora.

Outros dias trarão outros homens até este mesmo lugar, para olharem da mesma forma que eu olho.

E a cena será igual, mas eu não serei eu e a criança não será um reflexo da minha meninice mas da meninice de outrém.

Ou talvez a criança seja sempre a mesma... talvez todos tenhamos sido a mesma criança... partilhando sonhos e ilusões... baloiçando-nos de baixo para cima, um olho posto no céu e outro no infinito.

A criança é sempre a mesma, só os dias se sucedem no calendário...

Criança atrás de criança eu vejo o mundo a crescer para lado nenhum... nada é certo, para além da evidência de que atrás dos dias vêm dias.

2 comentários:

Passageiro do Tempo disse...

Talvez todos sejamos no fundo iguais, mais iguais do que aquilo que pensamos, mais iguais do que aquilo que até gostaríamos. Talvez o espelho de nós mesmos esteja em alguém à nossa frente que desconhecemos, com quem nunca falámos, com quem nunca vimos.
Surpreendente este teu texto!
Um abraço grande!

Sandra Marques disse...

Todos igais todos diferentes ... sim, somos reflexos de uma sociedade única que segue os mesmos ideais e quase não consegue mudar nada sobre o que tanto apregoa e diz estar mal. Os dias passam, as crianças crescem, o mundo gira, os dias passam e o estagnamento da alma humana permanece.
Sim, os dias passam e vale a pena vivê-los na companhia da criança que somos por dentro.
Um grande beijinho e parabéns por este pensamento :-)

Arquivo do blogue