Nem tudo começa aqui e nem tudo acaba aqui

Uma viagem conduzida por:

quinta-feira, dezembro 28, 2006

Por detrás de nós mesmos


Há muitas discussões sobre as razões da aparente sinceridade com que falamos a desconhecidos. No entanto esses desconhecidos têm de possuir determinadas características. É-nos mais fácil falar sobre nós mesmos, sobre os familiares mais próximos, da pessoa que amamos ou amámos a alguém que nunca vimos. Melhor ainda se esse desconhecido for simplesmente um nick, alguém que seja aparentemente "não real", que não possua olhar, que não tenha boca mas que... tecle...

Do que receamos afinal? De nós mesmos?
Será que simplesmente somos nós próprios que nos impedimos de fazer o que nós próprios realmente desejamos fazer?
Do que realmente temos medo? Porque fugimos e nos refugiamos nós por detrás de nós mesmos?
Uma coisa é certa.... receamos algo...

Somos como anjos aprisionados... deram-nos asas mas não sabemos o que fazer com elas...

O que acontece a uma ave que pode voar e não voa? Há só uma resposta.... morre!

3 comentários:

Caçador de Palavras disse...

a verdade é que nesta era das telecomunicações cada vez mais rápidas e eficientes as pessoas me parecem cada vez mais sós e fechadas sobre si mesmas

pergunto-me se esse desconhecido que tecla do outro lado da linha mágica que é a net muitas vezes não é mais do que uma projecção de nós próprios, e se, na realidade, não é um monólogo com uma parte de nós a que não acedmos doutra maneira

talvez o servidor esteja localizado na região mais escura do nossa mente...

talvez...

Sandra Marques disse...

Se não virmos mais esse desconhecido, então encontramos um porto seguro para depositar desabafos que não nos atrevemos a confidenciar a pessoas que nos conhecem, mas que no entatno, não teriam o minimo pudor de nos criticar em vez de nos tentar compreender.

Fechamo-nos sobre nós próprios porque não queremos "sujar" a nossa imagem perante a sociedade ... perante aqueles que são importantes para nós. Mas ... serão essas pessoas dignas da nossa amizade?

O mundo à distãncia de um click ... o isolamento como forma de libertação ...

Um grande bem haja para ti :-)

António Gil disse...

Por detrás de nós mesmos,refugiamo-nos na nossa intimidade de alma,tementes de nos mostrarmos tal como somos,com as nossas humanas características ou insuficiências...só Deus ama incondicionalmente ,por igual,o maior vilão e o mais santo dos seres...

Arquivo do blogue