Nem tudo começa aqui e nem tudo acaba aqui

Uma viagem conduzida por:

terça-feira, dezembro 19, 2006

Juntos Para Sempre


Por vezes encontramos pessoas que nos marcaram e só nos damos conta de que foram, de algum modo, importantes na nossa vida muito mais tarde, mesmo alguém com quem nunca falámos.
No hospital onde trabalho há cerca de 20 anos que um senhor vivia no hospital. Não habitava o hospital própriamente dito, mas era um "sem abrigo" que tinha como casa aquele lugar.
De manhã bem cedo lá estava ele olhando para quem entrava e saía. Eu reparava nele como se fosse parte do hospital, já lá se encontrava quando para lá fui. Não falava com ninguém, simplesmente olhava para nós... como que esperando algo. No entanto nunca me pediu nada, penso que o mesmo se deve ter passado com mais pessoas que ali trabalhavam... O mais estranho é que pouca gente falava dele, da sua estória, se o conheciam ou não... enfim.... pensava eu, mais um "sem abrigo".
Este senhor há cerca de um ano faleceu, morreu de frio (sim é verdade, parece mentira mas é a verdade) num dos dias mais frios do ano. Foi encontrado morto numas escadas que escolhia para passar a noite. Nunca entrou no hospital para pernoitar, aliás, nunca o vi lá dentro e sim sempre cá fora.
A morte do senhor foi um choque dentro daquela instituição, ele parecia quase como o guardião daquele lugar embora nunca falasse com ninguém. Mas o que mais comoveu na sua morte foi a sua estória. A estória que o ligava àquele lugar e que todos desconhecíamos até que alguém a contou. De repente em todo o lado se falava dele como um herói, nos corredores, no bar, de noite e de dia. Toda a gente perguntava.... "- Já sabem quem morreu?"... não era preciso.... todo o pessoal sabia naquele dia ao entrar que algo não estava bem... algo faltava... mas ninguém sabia dizer o que era...
Quando finalmente a sua estória foi revelada só então muita gente se deu conta do ser humano maravilhoso que habitou aquele lugar, alguns nem queriam ouvir o fim...
O senhor estava naquele lugar desde o dia em que a sua esposa lá entrou. Na altura da entrada da senhora na urgência ele pediu para a beijar. Não tinha tido tempo de o fazer quando a ambulância a foi buscar.
Não tinham filhos mas nutriam um amor um pelo outro fora do vulgar segundo a estória. Ele insistiu, e a sua mulher também, para se verem. Ninguém pareceu ligar, na altura, a isso. Aquele simples pedido fora-lhes negado. A senhora acabou por falecer e nunca mais se falaram. Ele jamais abandonaria o local onde a tinha visto com vida pela última vez. Estranhamente faleceu no dia em que ela, 20 anos antes, falecera também.
Acredito que num determinado Espaço/Tempo ele e a sua esposa estão juntos e finalmente se puderam falar.
Pelo menos eu preciso acreditar nisso.

2 comentários:

Caçador de Palavras disse...

quando uma estória entra tão fundo dentro de nós, é sinal de que a magia vive tb dentro das palavras

um grande abraço

Sandra Marques disse...

Esperar 20 anos para poder estar com quem se ama é demasiado sofrido, mas também concordo com o teu pensamento ... finalmente estão juntos.

Esta estória real também mostra o quanto tentamos passar ao lado da pobreza sem querermos olhar para ela ... 20 anos e nunca ninguém dirigiu uma palavra a este Senhor. Pena que só falem das pessoas depois de elas desaparecerem ...

Beijinho e obrigada por partilhares esta estória que me fez chorar.

Arquivo do blogue