Nem tudo começa aqui e nem tudo acaba aqui

Uma viagem conduzida por:

sábado, dezembro 23, 2006

Time is running out



Esta noite sonhei-me visitante numa casa desconhecida. Subia uma escadaria de madeira, quando, inesperadamente, vislumbrei uma foto pendurada na parede ao fim do último lance de degraus. Tratava-se do retrato dum pacifico fim de tarde, pouco depois do sol se ter despedido deste lado do mundo. A beleza do local assombrou-me. Fiquei preso àquele momento escondido algures no meio da casa misteriosa que era a minha mente. Logo percebi que em breves instantes aquelas últimas résteas de luz se apagariam como a iluminação pública no final do natal... Não me conformei com a fatalidade de ver um tão belo cenário prematuramente entregue à escuridão da noite. Corri até ao patamar, engolindo os últimos degraus com a impaciência das minhas pernas e, apoiando as mãos no beiral, mergulhei de cabeça na fotografia. Estiquei o pescoço para além do horizonte e em breve via já um pouco da rodela de luz celeste tentando escapulir-se para o outro lado do mundo. Projectei todo o corpo para a frente num impulso temerário e logo experimentei a insólita visão dum por do sol ao contrário. Deixei um sorriso desenhar-se-me no rosto à medida que o sol era ecuperado pela paisagem... até sentir no rosto o calor dourado do ocaso renovado.

E deste modo aprendi a voar.

2 comentários:

Passageiro do Tempo disse...

E eu ao ler-te neste texto voei também... porque os sonhos não têm limites nem a imaginação....
grande abraço!!!!

Sandra Marques disse...

Sonhar é poder alcançar ... alcançar é poder sorrir ... sorrir é poder estar feliz ... feliz é poder viver com todos os sentidos ... por isso sonha mil vezes e mil vezes poderas ter o que desejas!
Adorei este texto que correu nas tuas veias :-)

Arquivo do blogue