Nem tudo começa aqui e nem tudo acaba aqui

Uma viagem conduzida por:

sexta-feira, janeiro 05, 2007

"Uma outra viagem..."


Há momentos inesquecíveis que, como já referi aqui, nos marcam pela simplicidade e ao mesmo tempo pela grandiosidade do momento ou acontecimento... ou simplesmente seja eu que me deixe deslumbrar com isso...
Uma noite, já bem pela madrugada dentro, caminhava pelo corredor do hospital onde se amotoavam macas com doentes que, a muito custo, tentavam descansar apesar do barulho de vozes e do "entra e sai" constante de quem aí trabalha.
Reparei numa senhora bem idosa que olhava para os soros que tinha pendurados no suporte perto da sua maca com um sorriso sereno. Não sei a razão de ter reparado nela, mas certamente algo me despertou a atenção, quase tenho a certeza de que eram os olhos grandes que tinha, raro em pessoas idosas, mas mais raro era a intensidade com que me olharam quando passei. Sorri-lhe e disse boa noite, ela levantou um dedo e chamou-me.... queria saber as horas... eram, mais ou menos, 5 horas da manhã. Ela agradeceu com o seu sorriso sem fazer qualquer esforço, o que me deixou quase perplexo... àquela hora, num local daqueles, aquele sorriso teve um brilho impressionante. E sim era isso mesmo, era aquele sorriso, sereno e calmo que me fascinou. Parecia não pertencer àquele corpo, nem àquele tempo... era um sorriso de quem aceitava o que a vida lhe dava, serenamente, com uma luz tão intensa que eu poderia ficar ali horas admirando-o.
Perguntei-lhe o nome e respondeu-me que se chamava Ana. Disse-lhe que Ana era também o nome da minha filha, que era ainda uma bébé... disse-me então, sempre com aquele sorriso lindo, que "um dia já fui uma bébé..." e riu muito discretamente... " há muito muito tempo.... tenho agora 97 anos... agora aguardo outro nascer, uma outra viagem...".
Disse isto continuando a sorrir.
Fiquei sem saber o que dizer. Perturbou-me de algum modo as suas tão verdadeiras palavras.
Despedi-me e fui-me embora.... ela lá continuou... a aguardar pela sua viagem... serenamente, com aqueles olhos e sorriso que revelavam uma lucidez inquietante, uma coragem e força descomunais.
Nalgum canto do Universo esta senhora existe ainda, quem sabe se acarinhada como se fosse novamente uma bébé... com o mesmo sorriso... com o mesmo olhar...

4 comentários:

Caçador de Palavras disse...

as pequenas viagens dentro dessa viagem maior que é a vida...

...continua tb a nossa viagem a acompanhar o paralelo 77...

um grande abraço

Sandra Marques disse...

Essa Senhora deve ter conseguido um patamar de evolução psicológica mais avançado do que a maioria das pessoas ... ela sabe que apenas o corpo dela morrerá e alma será eterna e finalmente livre para voar ... será apenas e tão somente luz, como tu descreves.

Talvez tu próprio estejas uns degraus acima do ser comum :-) caso contrário não terias reparado.

Beijinhos!

António Gil disse...

Adorei este Teu texto...de uma enorme sensibilidade humana...a minha avó materna, que Deus guarda na zona mais celestial do Universo,descreveu-me há uns anos o Céu,como um local de infinita Paz e Beleza...fê-lo de forma tão serena e convicta que eu não tenho dúvidas da sua existência atemporal...Essa Senhora,de que falas, também sabe que depois da Vida só há mais Vida,ainda que,aparentemente,não pareça...bem hajas pela partilha desta Tua vivência...abraço amigo...

sissi disse...

Um dos textos deste Blog que mais me impressionou...
Existem almas assim..
Assim como esta bela senhora de nome Ana.
Assim como este sensivel ser, de nome P.....
Obrigado Passageiro do Tempo
Abraço de alma
Sissi

Arquivo do blogue